Ao dar as boas-vindas aos participantes, a presidente do CRF-SP, dra. Raquel Rizzi, fez questão de enfatizar o trabalho da Comissão Assessora de Pesquisa Clínica do CRF-SP, que além de idealizar todo o evento, contribui ativamente para a consolidação do farmacêutico no setor, como foi o caso da colaboração na recém-publicada Resolução 509/09 do CFF, que trata sobre a atuação do farmacêutico em centros de pesquisa clínica, organizações representativas, indústria ou outras instituições que realizem pesquisa clínica evolvendo medicamentos e produtos para saúde.

O evento também contou com a participação do dr. Dirceu Raposo de Mello, diretor-presidente da Anvisa, dr. Pedro Menegasso, diretor-tesoureiro e dra. Margarete Kishi, secretária-geral.  Para o dr. Dirceu, a Pesquisa Clínica no Brasil é uma área que está em constante desenvolvimento e a discussão de temas relacionados à área é fundamental para resguardar a segurança do sujeito de pesquisa. “Os princípios da bioética que norteiam a Pesquisa Clínica no Brasil são muito mais protetores em relação ao sujeito de pesquisa do que em outros países da Europa e EUA”.

 

 

Evento contou com a presença de cerca de 300 profissionais e estudantes de FarmáciaEvento contou com a presença de cerca de 300 profissionais e estudantes de Farmácia

 

A dra. Laura Gomes Castanheiro, gerente da área de segurança e eficácia da Anvisa, ressaltou durante a palestra a preocupação com os eventos adversos graves. “É fundamental a notificação desses problemas. Além de conceder a autorização e estar ciente do estudo, a Anvisa pode acompanhar a pesquisa, solicitar relatórios, verificar o cumprimento da legislação sanitária, entre outros”.

Duas mesas-redondas entre os palestrantes foram decisivas para que o público tirasse as dúvidas e discutisse os assuntos abordados com os especialistas, entre eles farmacêuticos, médicos e advogados. Para o dr. Dalton Luís de Paula Ramos, do Conep, que falou sobre o ponto de vista ético da pesquisa, o Brasil possui pesquisadores excelentes e de nível internacional e, por conta disso, é preciso estar preparado para todo tipo de pesquisa, inclusive com suporte para algum evento adverso grave no sujeito de pesquisa.

Dra. Renata Pereira (Comissão de Pesquisa Clínica do CRF-SP), dr. Dagoberto Brandão (PHC Pharma Consulting), dra. Nanci Valeis (NApesq), dr. Rodrigo Exman (Abbot Brazil) também esclareceram as dúvidas dos participantes durante o evento.