Veja recomendações do CRF-SP sobre cuidados na dispensação de anti-hipertensivos e ibuprofeno

 

São Paulo, 3 de abril de 2020

Atuais publicações científicas divulgaram que o novo coronavírus (denominado SARS CoV-2), causador da Covid-19, se liga nas células-alvo por meio da conversão da enzima ACE2, que é expressa em células epiteliais do pulmão, intestino, rim e vasos sanguíneos. A ACE2 pode estar aumentada em pacientes que utilizam os inibidores da ECA (IECA) e bloqueadores do receptor tipo I (BRA). 

Porém, esses resultados não foram comprovados clinicamente e os estudos apresentam diversas controvérsias.

Sendo assim, o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP), considerando a falta de comprovação científica recomenda ao farmacêutico que:

- Oriente os pacientes hipertensos que utilizam essas classes de medicamentos IECA e BRA, para que não suspendam o tratamento, diminuindo o risco de agravamentos da hipertensão como: infarto, acidente vascular encefálico, entre outros.

- Esclareça aos pacientes que até o atual momento não há comprovação efetiva de que esses medicamentos aumentem o risco da Covid-19.

Ibuprofeno e Covid – 19

Pesquisadores franceses publicaram que o uso do ibuprofeno pode aumentar a expressão de enzima ACE2, presente em células epiteliais do pulmão, intestino, rim e vasos sanguíneos. Considerando que o novo coronavírus (SARS CoV-2) se liga nas células-alvo por meio da conversão da enzima ACE2, poderia haver o agravamento do quadro de pacientes.

A Organização Mundial de Saúde não proíbe a utilização do ibruprofeno neste caso. O Ministério da Saúde recomenda a indicação de paracetamol e dipirona.

O Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP), considerando que se tratam de informações preliminares, recomenda ao farmacêutico:

- A dispensação dos analgésicos dipirona e paracetamol para pacientes com sintomas leves do COVID-19.

- Avalie o risco de dispensar dipirona e paracetamol para os pacientes acima de 60 anos ou portadores de doenças crônicas.

- Que o local de autoatendimento para antitérmicos e antigripais deve receber atenção especial, sempre tentando identificar pacientes com a presença de sintomas sugestivos de Covid-19, que devem ser encaminhados para ao atendimento farmacêutico.

 

Departamento de Comunicação CRF-SP 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS