Simpósio abordou responsabilidades, limites e desafios da prescrição segura

 

São José do Rio Preto, 19 de agosto de 2019

O CRF-SP promoveu na última quinta-feira (15/8) o Simpósio Prescrição Segura em São José do Rio Preto. O evento teve como tema as responsabilidades, limites e desafios da prescrição e ocorreu na Sociedade de Medicina e Cirurgia do município com a participação de mais de 80 farmacêuticos e acadêmicos da região, além de profissionais de outras áreas da Saúde. 

Foram apresentadas as principais características da prescrição na ótica dos cirurgiões dentistas, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas e médicos.

Dr. Rafael Delsin (Associação de Medicina e Cirurgia de São José do Rio Preto) e Dr. Sidney Neves (CROSP) participou do evento por meio de videoconferênciaDr. Rafael Delsin (Associação de Medicina e Cirurgia de São José do Rio Preto) e Dr. Sidney Neves (CROSP) participou do evento por meio de videoconferência

A primeira profissão a explanar suas particularidades foi a de Odontologia, com a apresentação do Dr. Sidney Neves, representante do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), que participou do evento por meio de videoconferência. Ele falou sobre a parceira do CRF-SP e do CROSP na publicação do Manual de Orientação: Prescrição e dispensação de medicamentos utilizados em Odontologia, lançado em 2017.

Dr. Sidney lembrou que nem sempre os cirurgiões-dentistas prescrevem apenas medicamentos que são comumente usados para tratamentos dentários. Eles também podem prescrever ansiolíticos, protetores estomacais e outros medicamentos que são necessários para tratar algum caso relacionado aos dentes ou à saúde bucal em casos específicos. “A cartilha está muito bem elaborada para esclarecer os dois lados das profissões sobre o que pode ser prescrito e o que pode ser dispensado. Precisamos sempre que possível estreitar relações entre os prescritores e também entre prescritor e quem vai dispensar o medicamento”, pontuou. Também representando o CROSP, Dr. Everaldo Nazareth Junior foi quem participou da mesa de debates para sanar as dúvidas dos participantes.

Dr. Everaldo Nazareth Junior (CROSP) e Dr. Paulo Nakaoski (Cremesp)Dr. Everaldo Nazareth Junior (CROSP) e Dr. Paulo Nakaoski (Cremesp)

Em seguida, Dr. Paulo Nakaoski representou os médicos e o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). Como principais prescritores no país, ele lembrou da importância da legibilidade e de outras atribuições que compõem o Código de Ética Médica as quais os profissionais são vedados de realizar.
“Está vedado ao médico receitar, atestar ou emitir laudos de forma secreta ou ilegível, bem como assinar em branco folhas de receituários, atestados, laudos ou quaisquer outros documentos médicos”, citou.

Os desafios da prescrição segura pelo ângulo da Enfermagem foram trazidos pela Dra. Cléa Rodrigues, representante do Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo (Coren-SP).

Ela também falou sobre o código de ética profissional e a importância das anotações de enfermagem. “Realizar anotações garante a segurança não apenas para o paciente, mas respalda uma provável defesa do profissional”.

Dra. Susilene Maria Nardi apresentou as necessidades dos profissionais de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional. Ela é conselheira do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 3ª Região (Crefito-3) e salientou as especialidades das duas profissões que envolvem a prescrição.

“A prescrição na Terapia Ocupacional e na Fisioterapia pode estar presente nas especialidades de gerontologia, desporto e paradesporto, práticas integrativas e complementares, como fitoterapia e terapia floral e nas tecnologias assistivas e saúde do trabalhador.”

Dra. Cléa Rodrigues (Coren), Dra. Susilene Maria Nardi (CREFITO-3) e Dra. Daniela Veríssimo (CRF-SP)Dra. Cléa Rodrigues (Coren), Dra. Susilene Maria Nardi (CREFITO-3) e Dra. Daniela Veríssimo (CRF-SP)

A farmacêutica Dra. Daniela Veríssimo, coordenadora do Departamento de Orientação Farmacêutica do CRF-SP, abordou a questão da prescrição farmacêutica, mas também das normas para dispensação, já que o farmacêutico é o profissional habilitado e responsável pela dispensação.

“A prescrição farmacêutica é algo relativamente recente, regulamentada em 2013 pela Resolução do Conselho Federal de Farmácia nº 585., mas a indicação de medicamentos é uma prática muito antiga da nossa profissão. A prescrição vem como desafio de fazer uma prática comum em algo oficial e mais segura, feita de maneira mais formal, que pode inclusive resguardar o profissional para possíveis problemas”, alertou.

No final, expositores participaram de mesa de debate e responderam os questionamentos do público.

Mesa de debate contou com o Dr. Everaldo Nazareth Junior (CROSP), Dra. Daniela Veríssimo (CRF-SP), Dr. Paulo Nakaoski (Cremesp), Dra. Cléa Rodrigues (Coren) e Dra. Susilene Maria Nardi (CREFITO-3)Mesa de debate contou com o Dr. Everaldo Nazareth Junior (CROSP), Dra. Daniela Veríssimo (CRF-SP), Dr. Paulo Nakaoski (Cremesp), Dra. Cléa Rodrigues (Coren) e Dra. Susilene Maria Nardi (CREFITO-3)

 

Monica Neri

Departamento de Comunicação CRF-SP 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS